Ação simula acidente em Viracopos

30/09/2009

Exercício comprovou que o aeroporto está preparado para enfrentar situações de emergência

Fábio Gallacci
DA AGÊNCIA ANHANGUERA

Um grupo de 250 pessoas participou na tarde de ontem de uma simulação de atendimento a vítimas de acidente aéreo no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. O Exercício de Emergência e Acidente Aéreo Completo (EXEAC), organizado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), foi realizado em um ponto próximo da pista de pousos e decolagens e contou com representantes de diversos órgãos nacionais, estaduais e municipais. O objetivo foi testar as atuais condições de trabalho das equipes de socorro e corrigir possíveis falhas.

Considerado uma das grandes alternativas para desafogar o tráfego aéreo brasileiro, e com sua ampliação sendo definida, Viracopos provou que também conta com um sistema bem organizado de ação em caso de acidentes. Prova dessa estrutura é que, mesmo com a ação acontecendo, o aeroporto continuou com seu movimento normal.

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) determina que essa atividade seja realizada anualmente em todos os aeroportos do País. O simulado prepara e avalia todo o planejamento de cada local para a atuação dos órgãos que trabalham com a segurança dos terminais. A ação também serve para avaliar a capacidade de atuação do poder público.

Com este exercício, a Prefeitura Municipal de Campinas, organizada pela Defesa Civil estará descrevendo as ações de cada Órgão e serviço que atuou no apoio do atendimento e assim, será construído o PLANO MUNICIPAL  DE ATENDIMENTO A DESASTRES AEROVIÁRIOS.

Cada Órgão estará descrevendo suas ações nesta situação de desastre assim como, avaliar alguma readequação.

O exercício partiu da idéia de que uma aeronave de grande porte se aproximava com o trem de pouso travado e, por esse motivo, teria de fazer uma aterrissagem forçada. A bordo, estariam 90 passageiros. Nos tanques do avião, 8 mil quilos de combustível.

 

Uma aeronave real foi utilizada na atividade. Equipes e veículos se deslocaram para o lugar onde ela estava estacionada e iniciaram os procedimentos. Voluntários fizeram o papel de passageiros para dar mais autenticidade à ação. Alguns até gritavam de dor e pediam socorro. Integrantes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e socorristas do Corpo de Voluntários de Emergência (CVE), formado por funcionários das empresas que operam dentro e na região de Viracopos, prestaram o atendimento.

Esses voluntários passaram por uma semana de treinamento sobre diversos temas relacionados a urgência e emergência, Triagem de Vítimas utilizando métodos internacionais de identificação e classificação de risco das vitimas.

O SAMU 192 CAMPINAS, teve participação especial com a apresentação do método START que foi usado pelos CEVIANOS.

A equipe do SAMU 192 Campinas e Hortolândia também participaram da Capacitação de Atendimento à Desastres
Também foi responsável pela totalidade das “vítimas” com alunos da Faculdade de Enfermagem assim como uma Capacitação de Atendimento à Desastres.
A maquiagem foi realizada por profissionais do SAMU 192 CAMPINAS assim como a orientação de como atuar, devido ao quadro clínico descrito
O transporte de todas as “vítimas” ao Aeroporto também foi necessário e tivemos o apoio importante do Exército Brasileiro por solicitação da Defesa Civil e do apoio do Presidente da INTERCAMP – Carlos Tartari que por sinal, também é motorista do SAMU 192 CAMPINAS
O NÚMERO
1h20 DE DURAÇÃO Teve a simulação de acidente no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, e o trabalho de atendimento às vítimas.

Após o término, o saldo foi positivo. “O mais importante é conhecer a cena, o local onde pode ocorrer um acidente. Assim, todos os envolvidos podem reconhecer as suas responsabilidades e seus limites. O trabalho precisa ser feito em equipe, não há como fazer nada disso sozinho”, afirmou José Roberto Hansen, coordenador do Samu de Campinas. “Esses exercícios também servem para que possamos encontrar possíveis problemas e corrigi-los.”

O gerente de Operações e Segurança da Infraero, Samuel Conceição da Silva, também considerou a experiência positiva. “O exercício é de uma grande importância. Não tomamos essa atividade como uma obrigação da lei, mas como uma missão cívica em benefício de todas as pessoas. O resultado aqui foi muito bom”, disse ele. Ainda segundo Silva, a montagem das áreas de triagem das vítimas (as lonas coloridas) e a garantia de segurança das próprias equipes de atendimento ainda são pontos que merecem um melhor ajuste e a simulação contribuiu para que isso fosse percebido.

Além de funcionários da Infraero, dos socorristas voluntários e do Samu, a simulação contou ainda com a participação de integrantes do Corpo de Bombeiros, do Exército, da Polícia Militar, que trouxe o helicóptero Águia, e dos órgãos que compõem o Sistema Municipal de Defesa Civil de Campinas (Simdec).

SP-324: SAMU 192 atende vítimas no retorno

Após a simulação em Viracopos, médicos do SAMU 192 CAMPINAS e do SAMU REGIONAL de Hortolândia atenderam os feridos leves em uma batida envolvendo um caminhão, um ônibus e um carro na Rodovia Miguel Melhado Campos, a Vinhedo-Viracopos (SP-324), no final da tarde.

Segundo o coordenador do SAMU de Campinas, José Roberto Hansen, o motorista do caminhão freou e o ônibus bateu na traseira. Um carro também se envolveu no acidente. O motorista do ônibus ficou preso nas ferragens. Ele teve trauma abdominal leve.

Equipes dos bombeiros e da Infraero também ajudaram. (AAN)

Paciente em atendimento e sendo transferido para o Hospital Mario Gatti pela Viatura de Suporte Avançado Paciente já no Hospital Mario Gatti sendo atendido pela equipe local.