Workshop - ALERTA AVC

05/11/2007 e 08/11/2007

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU/192) de Campinas promoveu nesta quinta-feira, 8 de novembro, às 19h30, capacitação em acidente vascular isquêmico (AVC I) para telefonistas, operadores de frota, auxiliares e técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos que atuam no serviço, além de profissionais dos prontos-socorros municipais totalizando 145 profissionais.

Esta é segunda capacitação das equipes. A primeira foi realizada no dia 5, com participação de mais de 100 profissionais – O SAMU/192 conta com 260 servidores. O objetivo é preparar as equipes para identificar rapidamente casos de AVC I e encaminhá-los para os hospitais que realizam terapia com fibrinolítico.

O AVC I é a falta de circulação numa área do cérebro provocada por obstrução de uma ou mais artérias por ateromas, trombose ou embolia. Ocorre, em geral, em pessoas mais velhas, com diabetes, colesterol elevado, hipertensão arterial, problemas vasculares e fumantes. O AVC I é a segunda causa de morte no Brasil e a principal causa de morbidade e incapacidade funcional (70% das pessoas acometidas ficam incapazes para o trabalho).

O fibrinolítico – medicamentos trombolíticos e anticoagulantes – consiste numa terapia que tem uma resposta muito positiva capaz de diminuir a extensão dos danos do AVC I, reduzindo o número de mortes e as seqüelas. Precisa ser administrado rapidamente – em até 3 horas - após a identificação do problema. Atualmente já é utilizado no Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp, Hospital Celso Pierro da PUC-Campinas e Hospital Mário Gatti.

A capacitação será ministrada pela médica neurologista Susana Mory, que atua no Hospital Celso Pierro e no Pronto-Socorro do Ouro Verde. Após a aula, um jantar será oferecido aos profissionais, momento em que, além de confraternizar, também podem discutir sobre os aspectos apresentados.

"Com a integração com os hospitais e a habilitação das equipes para o atendimento adequado e ágil do paciente vitimado, podemos salvar muitas vidas e reduzir o risco de seqüelas. Os resultados são otimizados em vários sentidos: reduzem-se os custos com internação, a dependência de equipamentos de saúde e o paciente tem garantida uma melhor relação com a família e a sociedade", diz o médico emergencista José Roberto Hansen, coordenador do SAMU/192 de Campinas.

Como surgiu

A idéia da implantação de fibrinolítico para tratamento de AVC I na rede de saúde pública de urgência de Campinas surgiu há um ano como iniciativa de um grupo de profissionais de vários serviços de urgência ligados à neurologia e resultou em um processo de trabalho envolvendo toda a rede de saúde pública de urgência de Campinas.

Integram o grupo os médicos Li Li Ming, do HC da Unicamp, Hilton Mariano, do Mário Gatti, José Roberto Hansen, do SAMU/192 Campinas, além de profissionais do Hospital Celso Pierro.

Saiba mais sobre o AVC - acidente vascular isquêmico

Sintomas
·perda repentina da força muscular e/ou da visão
·dificuldade de comunicação oral
·tonturas
·formigamento num dos lados do corpo
·alterações da memória
Algumas vezes, esses sintomas podem ser transitórios – ataque isquêmico transitório (AIT). Nem por isso deixam de exigir cuidados médicos imediatos.

Fatores de risco
Os fatores de risco para AVC são os mesmos que provocam ataques cardíacos:
·hipertensão arterial
·colesterol elevado
·fumo
·diabetes
·histórico familiar
·ingestão de álcool
·vida sedentária
·excesso de peso
·estresse

Tratamento
Acidente vascular cerebral é uma emergência médica. O paciente deve ser encaminhado imediatamente para atendimento hospitalar. Trombolíticos e anticoagulantes podem diminuir a extensão dos danos no caso de acidentes isquêmicos. A cirurgia pode estar indicada para a retirada de coágulos nos acidentes hemorrágicos ou para a retirada de êmbolos obstrutivos (endarterectomia) nos acidentes isquêmicos. Existem recursos terapêuticos capazes de ajudar a restaurar funções, movimentos e fala e, quanto antes começarem a ser aplicados, melhores serão os resultados.

Recomendações
·Controle a pressão arterial e o nível de açúcar no sangue. Hipertensos e diabéticos exigem tratamento e precisam de acompanhamento médico permanente. Pessoas com pressão e glicemia normais raramente têm derrames;
·Procure manter abaixo de 200 o índice do colesterol total. Às vezes, só se consegue esse equilíbrio com medicamentos. Não os tome nem deixe de tomá-los por conta própria. Ouça sempre a orientação de um médico;
·Adote uma dieta equilibrada, reduzindo a quantidade de açúcar, gordura, sal e bebidas alcoólicas;
·Não fume. Está provado que o cigarro é um fator de alto risco para acidentes vasculares;
·Estabeleça um programa regular de exercícios físicos. Faça caminhadas de 30 minutos diariamente;
·Informe seu médico se em sua família houver casos doenças cardíacas e neurológicas como o AVC;
·Procure distrair-se para reduzir o nível de estresse. Encontre os amigos, participe de atividades culturais, comunitárias, etc.