Ministro da Saúde vem a Campinas assinar convênio para ampliação do Hospital Ouro Verde: Campinas ganhará segundo hospital municipal em 2007 - SAMU  dá apoio ao evento e as autoridades presentes

08/12/2005

O ministro da Saúde, José Saraiva Felipe, e o prefeito Hélio de Oliveira Santos assinaram na tarde desta nesta quinta-feira, 8 de dezembro, em Campinas, o convênio para a ampliação do Complexo Ouro Verde, transformando-o em hospital geral, o segundo hospital municipal da cidade. Atualmente, no Complexo funciona o ambulatório, a unidade de pronto atendimento de urgência, o laboratório de análises clínicas e um centro de diagnósticos.

Além disso, a unidade de Pronto Atendimento (PA) do Ouro Verde, que passará a ser um Pronto-Socorro, vai poder atender a casos de maior complexidade, o que seguramente vai melhorar a resposta aos casos de urgência mais graves, melhorando assim o sistema de urgência e emergência do município como um todo.

A unidade vai contar, ainda, com centro cirúrgico com salas de cirurgia geral, salas ortopédicas, de cirurgia ambulatorial, uma sala de parto normal junto ao pronto-socorro e duas salas de hemodiálise de suporte. Além disso, o projeto prevê serviços de diagnose e terapêutica com equipamentos de radiologia, tomografia, ressonância magnética, mamografia, ultrassonografia e endoscopia. A instituição ainda vai oferecer serviços na área de cardiologia e neurologia, hemoterapia e fisioterapia, além dos serviços já disponíveis no complexo.

"A medida, que amplia o atendimento e garante maior acesso médico-hospitalar aos cidadãos de Campinas mostra que o governo Hélio trata a saúde pública como prioridade. Representa um importante marco em comemoração a um ano do novo governo, um ano de fortalecimento do SUS, a principal política de inclusão social que há em Campinas e no Brasil. Além disso, aponta que o atual governo se dispôs a encarar o problema da desigualdade regional, passando a investir nas regiões sudoeste e noroeste para garantir a eqüidade em nossa cidade. O ano de 2005 prova que este governo está disposto a dar novo rumo à saúde da população campineira", disse o secretário municipal de Saúde, Gilberto Selber.

Também participaram das assinaturas dos convênios o vice-prefeito, Guilherme Campos Júnior, o deputado federal João Herrmann, secretários municipais e autoridades locais.

Durante o evento, que aconteceu na praça de esportes do DIC VI, Dr. Hélio enfatizou a importância das melhorias na saúde pública para a população carente. "Com o apoio do governo federal, o Hospital Ouro Verde deixa de ser um sonho e passa a ser um compromisso com a população. Vamos dar prioridade absoluta à saúde e transformar Campinas em um exemplo", resumiu. A previsão é que o novo hospital atenda cerca de 500 mil pessoas.

Além do hospital, também foi assinado convênio para construção do Pronto Socorro do Campo Grande, a ampliação do Centro de Saúde da Vila União e a aquisição de equipamentos, com investimentos de cerca de R$ 2,7 milhões. Após a solenidade, foram realizadas apresentações musicais para a população. Entre as atrações, as duplas Teodoro e Sampaio e Pedro e Tiago.

O hospital está previsto para estar concluído em dois anos e, inicialmente, serão investidos R$ 30 milhões, sendo R$ 25 mi do Ministério da Saúde e R$ 5 mi de contrapartida da Prefeitura de Campinas. No total, serão construídos mais 16,6 mil metros quadrados, o que, com a área já construída (5,2 mil), vai atingir 21 mil metros quadrados de construção.

A assinatura do convênio transforma em realidade o mais importante projeto da atual administração para a melhoria da atenção à saúde da população no município e atende a antiga reivindicação dos gestores, servidores e da população de Campinas.

O ministro Saraiva Felipe elogiou a determinação da atual administração com relação ao compromisso social. "Dr. Hélio está marcando a história de Campinas através de ações que beneficiam a população mais carente e o governo federal apóia projetos como este", disse.

O hospital terá 210 leitos com atendimento nas áreas de clínica médica, clínica cirúrgica, clínica pediátrica, traumato-ortopedia, saúde mental e leitos de UTI adulto e UTI infantil. A unidade vai beneficiar diretamente os cerca de 200 mil habitantes da região sudoeste do município, além de dar retaguarda aos 100 mil habitantes da noroeste, o que representa aproximadamente um terço da população de Campinas.